Preso novamente aplicando mais golpes

E-mail Imprimir PDF

Wittemberg Magno Ribeiro

A Polícia Civil do Paraná prendeu na última quinta-feira, durante a Operação Mercúrio, acusado de comandar uma quadrilha que aplicava golpe imobiliário em São José dos Pinhais.
A vítima já teria pago R$ 1 milhão de uma comissão que totalizaria R$ 90 milhões. O preso é personagem conhecido em Maringá: Wittemberg Magno Ribeiro, que foi dono do Studio Quality, arrendou a Cidade FM (hoje, Mix FM) e que também é acusado de dar golpes em outras cidades, como Balneário Camboriú (SC). Magno chegou a ser notícia no Jornal Nacional, ao vender Letras do Tesouro Nacional (LTNs) falsificadas no Rio de Janeiro, no final dos anos 80.
Foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão e oito de condução coercitiva – duas pessoas não foram encontradas.  O líder da quadrilha, que foi preso (foto), criminoso conhecido pela prática de outros diversos golpes milionários. Eles responderão pelos crimes de organização criminosa, estelionato, extorsão e falsidade ideológica e documental. Logo após a deflagração da operação, um empresário de Santa Catarina procurou a Polícia Civil do Paraná para denunciar mais uma fraude no valor de U$S 60 mil envolvendo a mesma quadrilha.
A organização criminosa é especializada em fraudes financeiras e para isso pratica a confecção de páginas de bancos falsas, instituições financeiras que não existem, operações de investimentos inexistentes, pessoas com cargos fictícios e aluguel de salas comerciais de fachada.
O grupo contava com suporte de especialistas em informática para dar veracidade às fraudes. A operação aconteceu em dez cidades de cinco estados e no Distrito Federal: Rio de Janeiro (RJ), Campo Largo (PR), Palhoça, Mafra, Itapema e Balneário Camboriú (SC), Dourados (MS), Brasília e Taguatinga (DF) e Bom Jesus de Goiás (GO). Cerca de 70 policiais participaram da operação – comandada pelo delegado titular da Delegacia de Furtos e Roubos de Curitiba, Matheus Laiola.
O golpe começou após a vítima adquirir um enorme terreno em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba, com área de 6.970.318,95 metros quadrados, equivalente a mil campos de futebol e avaliado em R$ 600 milhões, porém o grupo criminoso oferecia o terreno por R$ 900 milhões. A intenção do empresário era revender o imóvel para terceiros com um projeto de aeroporto de cargas, valorizando assim o negócio. Para efetuar o negócio, o pagamento teria de ser feito através de um banco internacional de investimento Deutsche Capital Holdings Bank (DCHB) (que teve a página na internet falsificada para a vítima) e cujo valor para abertura da conta era de US$ 100 mil, valor pago pela vítima.
Além de uma comissão no valor de R$ 2 milhões. A vítima teria que criar um e-mail para a comunicação com os representantes do fundo e do banco internacional por meio do qual se daria a transação. Tudo foi feito de maneira orquestrada, um criminoso falava mal do outro para a vítima, dizendo que iria intervir para os valores diminuírem. Exigiram (e conseguiram) transferências bancárias no valor aproximado de R$ 1 milhão. A fraude era tanta que um depósito apareceu na conta bancária fictícia no valor de R$ 900 milhões. Montante este bloqueado, sendo que só seria liberado mediante pagamento adiantado de R$ 2 milhões a título de comissão.
Passou-se a ameaçar a vítima para que mais dinheiro fosse depositado por ela. “A vítima caiu na lábia destas pessoas que começaram a empreitada criminosa. Por meio de diversas fraudes documentais (criação de sites inexistentes/falsos, contratos falsos, documentos falsos, utilização de nomes fictícios, contas bancárias falsas, etc), os Estelionatários fizeram com que a vítima desembolsasse R$ 953 mil para o grupo a título de falsas tarifas de aberturas de contas no exterior. Depois de muito tempo de negociação, a vítima descobriu que tudo não passava de um golpe”, explicou o delegado Matheus Laiola.
Em 2007, Wittemberg Magno Ribeiro foi acusado de chefiar uma quadrilha de estelionatários integrada por seus quatro irmãos Welson, Walmir, Wandembegne e Wilkerson. Segundo a denúncia do Ministério Público, a Organização Criminosa possuía 32 firmas de fachada, com sede em quatro estados (Rio de Janeiro, Paraná, São Paulo e Rio Grande do Norte) e também no exterior: duas delas estariam sediadas no Panamá, na América Central. (via blog do Rigon)

 

Adicionar comentário

O seu comentário será publicado na postagem referida, caso não tenha nenhum tipo de ofensa e será liberado após verificação pelo administrador do site Manchete.


Código de segurança
Atualizar

FACEBOOK

UNIFAMMA

unifamma

VIAPAR FAZ

Tudo Novo !

expresso maringá
Clique na foto e veja o video

Diversão

DO YOU REMEMBER?
RPM - Alvorada Voraz (1986)   Dim lights ...
O professor de biologia resolve fazer uma prova oral. Chama a aluna: – Existe uma parte do corpo do homem que pode se ...

Pan News Jovem Pan 101.3FM

JOVEM PAN

Mundo Rural

claudio coelho

WHATSAPP MANCHETE

whatsapp

ESTETICA ACADEMIA

estética

Estância Tamarana

estancia tamarana 2015
Pousada Rural
(43) 3398-1681

TWITTER MANCHETE

RSS MANCHETE

rss

PARCEIROS

LINKS :

rigon
anderson lopez
messias mendes

andre almenara folha

edson lima

tabajara

jp

flavio psicologo
antonio marcos

roque
radar maringa
gilmar oséias
BLOG DO CARLÃO MARINGÁ

LUCAS CABRAL
CARLOS OHARA
BLOG LEANDRO OLIVEIRA
BORRAZÓPOLIS NOTÍCIAS
BLOG DO MOCHI
MARINGÁ DA DEPRÊ

BLOG DO ZEQUINHA

FOLHA DE MARINGÁ
FOLHA APUCARANA
FOLHA REGIONAL DE CIANORTE
LAURO BARBOSA
MANDAGUARI ON LINE

BLOG PAIÇANDU AVANTE

PARANA NOTICIAS
PORTAL CGN
BLOG ROBY NEWS
PAICANDU NOTICIAS

BLOG DO MARCINHO PINHEIRO
RADAR DA NOTÍCIA

RUBENS SILVA/MANDAGUARI
PORTAL AGORA

Diversão

DO YOU REMEMBER?
RPM - Alvorada Voraz (1986)   Dim lights ...
O professor de biologia resolve fazer uma prova oral. Chama a aluna: – Existe uma parte do corpo do homem que pode se ...