Será que agora vai?

Imprimir

segurança presídio

O Ministério Público do Trabalho (MPT) encaminhou nesta quarta-feira (29) ao Departamento de Execução Penal do Paraná (Depen) um pedido de interdição do minipresídio da Delegacia de Maringá.
Segundo o MPT, as condições do prédio colocam em risco a saúde dos funcionários que trabalham no setor. Ao todo, 32 pessoas, entre agentes penitenciários e agentes de cadeia, atuam no minipresídio. O local foi projetado para 115 presos, mas atualmente abriga 250 detentos.
O diretor do Depen, Luiz Alberto Cartaxo, disse que presos devem ser transferidos nos próximos dias para outras unidades do estado. "Estou trazendo uma autorização secretarial que nos concedeu uma ampliação de 150 alimentações a mais na Casa de Custódia de Maringá. Estamos disponibilizando vagas também na Penitenciaria Estadual de Maringá, para que em um curto espaço de tempo, em uma semana no máximo, tenhamos a retirada de todos os presos do minipresídio", informou Cartaxo. (inf G1)
Em reunião com representantes dos segmentos envolvidos na questão, dentre eles o vereador Luciano Britto, deputado federal Ricardo Barros, juíza da Vara de Execuções Penal, Jane dos Santos Ramos, a promotora da VEP, Valéria Seyr, o diretor da PEM, Vaine Gomes e o delegado-chefe Osmir Ferreira Neves Junior, ficou decidido que a Penitenciária Estadual de Maringá receberá até 70 detentos da Casa de Custódia que por sua vez absorverá os presos do mini-presídio da 9ºSDP. O cadeião da Mandacarú tem hoje 30 mulheres presas, a ideia é transferi-las para a Delegacia de Paiçandu ou para outra da região. Algumas celas serão mantidas ainda na 9ªSDP apara abrigar presos em situação de flagrante.

Última atualização ( Qui, 30 de Julho de 2015 10:05 )