Chega ao fim o maior leilão do Brasil

Imprimir

A Fazenda Piratininga, que chegou a ser avaliada em R$ 615 milhões, pertencente ao empresário Wagner Canhedo Azevedo, ex-presidente da falida companhia aérea Vasp, foi vendida no último dia 16, por R$ 310 milhões, de acordo com o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2).
A propriedade, somente foi vendida após a realização de dois leilões e outras tentativas de venda direta na Justiça. Em abril, a fazenda foi a leilão, mas não teve comprador. Em novembro, o imóvel foi arrematado pelo grupo CONAGRO, representado pelo sócio-presidente Sr. Francisco Vivone, pelo valor de R$ 430 milhões, que num período inferior a 24 horas sustou os cheques, cancelando a venda.
O acontecimento desapontou tanto credores, leiloeiros do TRT-2 (SP-SP) e em especial quem bateu o martelo, Antônio Seoanes, da empresa Leilões Judiciais Serrano.
Na época, o fundador da empresa, Fernando Martins Serrano, afirmou que iria recorrer à justiça para receber a comissão, “toda ação gera reação. Comprou porque quis. Não foi obrigado. Sabia das regras. Gerou direito à nossa comissão. Vamos lutar para receber”.
Ainda é importante lembrar que a venda do imóvel foi pedida por meio de ação civil pública, em 2005, pelo Ministério Público do Trabalho e Sindicato dos Aeronautas e Aeroviários, para garantir o pagamento dos direitos trabalhistas após a falência da Vasp. O advogado do Sindicato dos Aeroviários, Francisco Gonçalves Martins, disse que a venda "acaba com o sofrimento dos trabalhadores (...), sai da insegurança de que não ia receber nada para a segurança de que vai receber em cinco anos".
A venda ocorreu durante uma reunião realizada entre investidores interessados e a juíza Elisa Maria Secco Andreoni, juntamente com representantes do Sindicato dos Aeroviários e do Sindicato dos Aeronautas e com procuradores do Ministério Público do Trabalho.
Segundo o tribunal, a negociação teve duração de mais de quatro horas e contou com a presença de três grupos interessados. A proposta vencedora foi feita pelos ex-donos da Neo Química, no valor de R$310 milhões, sendo R$ 60 milhões como sinal, que será efetuado nesta quinta-feira e o restante dividido em cinco parcelas anuais.

Última atualização ( Qui, 30 de Dezembro de 2010 18:37 )