Bancários de Maringá e região rejeitam proposta e vão à greve dia 18

Imprimir

Os bancários de Maringá e região, reunidos nesta quinta-feira, 13, em assembleia geral extraordinária, deliberaram pela adesão à paralisação nacional da categoria, que acontece a partir da zero hora da próxima terça-feira, 18.
A proposta patronal, de reajuste de 6% do índice econômico, foi rejeitada. A assembleia ocorreu na sede campestre dos bancários,  com a presença significativa de trabalhadores dos três segmentos (bancos privados, Caixa e Banco do Brasil), foi decidido em favor da paralisação como forma de levar os banqueiros a atender às reivindicações, entre elas, de reajuste salarial de 10%, melhoria da participação nos lucros e resultados e correção de outros benefícios.
O presidente do Sindicato, Claudecir de Souza,  fez detalhada exposição de todo o processo de negociação, segundo ele, foram realizadas várias rodadas e a expectativa era que os banqueiros apresentassem uma proposta condizente com os anseios da categoria. “Mas não foi o que ocorreu. Simplesmente, depois de exaustivas negociações, vieram com uma proposta que deixou a todos nós indignados. Os bancos, que lucraram mais de R$ 26 bilhões somente no primeiro semestre, tiveram a coragem de apresentar uma proposta tão pequena, tão aquém. É um desrespeito ao empenho de todos os bancários, que são os responsáveis diretos por esses lucros ”, pontua.
A greve, decretada ontem, ocorrerá a partir da zero hora da próxima terça-feira e atingirá os bancos privados, Banco do Brasil e Caixa.

Última atualização ( Sex, 14 de Setembro de 2012 11:35 )