‘Arrastão′ contra dengue vai sábado à zona sul

A Prefeitura de Maringá intensifica as ações de combate e prevenção da dengue, promovendo no sábado, 8, mais um ′arrastão′ para retirar bens inservíveis. O trabalho se concentrará em bairros da Zona Sul. A concentração de máquinas, caminhões e servidores será na rua Tulipa, em frente ao Parque do Japão, a partir das 7h30. Agentes de controle da dengue farão vistorias em residências.
A estratégia do ′arrastão′ muda em relação ao modelo aplicado no último final de semana em bairros da Zona Norte, quando máquinas e caminhões percorreram ruas e avenidas retirando materiais. Na Zona Sul, caçambas serão posicionadas em pontos fixos e cidadão deve levar descartáveis até esses locais. Casos excepcionais serão atendidos no local relatado pelo cidadão. O descarte já pode ser feito a partir das 15h30 de sexta, 7, quando as caçambas já estarão instaladas.
“Toda a estrutura de máquinas e caminhões estará à disposição, mas vamos atuar em situações específicas, em locais com descarte já concentrados, como fundos de vale. Atenderemos também problemas pontuais, a partir do relato de morador no ponto fixo de recolhimento”, afirma a diretora executiva da Secretaria de Serviços Urbanos, Ligia Guedes.

A mudança se justifica por várias razões, a começar pela dificuldade de movimentar caminhões e máquinas por ruas estreitas, com veículos estacionados. Riscos de danos em calçadas também foram considerandos para adotar nova estratégia. “Importante também que o cidadão se acostume a descartar seus resíduos nos locais adequados”, afirma Maria Lígia.
Permanece o apelo para que não sejam descartados resíduos e bens inservíveis em calçadas, canteiros, praças, fundos de vale e estradas rurais. O ′arrastão′ também não vai recolher restos de construção e gesso, que exigem remoção em caçambas contratadas pelo gerador do resíduo, considerando descarte em locais específicos e autorizados. Lâmpadas também não serão coletadas.
A participação mais ativa do cidadão nos bairros onde a ação será realizada é extensiva a pessoas de outras regiões, que podem se voluntariar para ajudar no ′arrastão′. “Todo apoio é muito bem vindo”, afirma Maria Ligia, lembrando que o combate à dengue é um esforço coletivo que envolve toda a cidade. “Estamos em guerra contra o mosquito”, acrescenta. (PMM)