Em 2016, a reação foi diferente

Em novembro de 2016, um rapaz com teve um surto psicótico, subiu no capô de uma viatura da Guarda Municipal que estava estacionada na avenida Pedro Taques e, no erro de um GM despreparado, levou um tiro de Taser. Resultado: caiu violentamente de cabeça no asfalto, teve traumatismo craniano e só não morreu por milagre.
As cenas chocaram a cidade, mas, talvez pelo fato de que a eleição já houvesse acontecido, ninguém fez vídeo detonando todo o efetivo da GM, muito menos teve gente acusando o então prefeito Carlos Roberto Pupin de ter culpa na história. (inf Maringá News)


Warning: A non-numeric value encountered in /home/maringamanchete/www/wp-content/themes/Newspaper/includes/wp_booster/td_block.php on line 352