DenúnciaMaringáPolíticazDestaque

Vereador acusa presidente da Câmara

Com votação expressiva o vereador Homero Figueiredo Marchese (PV) chegou a Câmara de Maringá no ano de 2017.
Após passar a campanha eleitoral apoiando o candidato a prefeito Ulisses Maia (PDT) e o vice do seu partido, Edson Scabora, mudou radicalmente sua postura no Legislativo.
Os motivos obscuros de sua mudança são mantidos ainda em segredo, mas nos bastidores da política cogita-se que Figueiredo ficou irritado e contrariado quando exigiu que a administração Ulisses/Scabora mantivesse na pasta da secretaria do Meio Ambiente um nome do partido Verde, após desistência do indicado Professor Joba.
Desde então fez ferrenha oposição a atual administração, muitas vezes criticando projetos apresentados pelo Executivo, como exemplo o vale-alimentação aos servidores públicos municipais, mas diante de pressão dos trabalhadores acabou votando a favor.
Nesse pouco tempo de experiência como legislador conseguiu mentir na Tribuna da Câmara, ao mencionar que era autor de 200 projetos naquela Casa, foi mais longe ao afirmar que o presidente Mário Hossokawa (PP) era mentiroso por entrevista concedida a rádio Jovem Pan. O mesmo vereador em emails acusou um colega da Câmara de ficar com parte dos salários de seus assessores. Quase entrou em vias de fato com o companheiro de partido, vereador Jean Marques, ao acusar irresponsavelmente que a noiva de Marques espalhava por grupos de WhatsApp fatos sobre sua pessoa, atitude esta contemplada ao vereador Homero Figueiredo Marchese que alugou o espaço virtual do MBL para atacar professores e jornalistas da cidade.

homero figueiredo marchese Vereador acusa presidente da Câmara

Esta semana questionou verba publicitária da Câmara de Vereadores para veículos de comunicação e abominou a contratação de palestrantes  pela Casa Legislativa para ministrarem sobre o tema da Semana da Pátria a alunos da rede pública, entre os palestrantes estavam o deputado constituinte Tadeu França e o jornalista da CBN, Gilson Aguiar.
Em sua postagem no Facebook (foto) associou o fato do jornalista Agnaldo Vieira ter sido recebido pelo presidente em seu gabinete, quis dizer que talvez a verba publicitária da Câmara foi liberada para abafar alguma coisa? Os dias de Figueiredo passam a ser cada vez mais no ostracismo e indagado diariamente por muitos dos seus eleitores que confiaram o voto para que fizesse um trabalho mais eficaz e voltado a população, ao contrário, recebe mensalmente R$ 8.697,21 para atacar em suas redes sociais professores, ativistas LGBT, jornalistas, e até hoje não conseguiu explicar por que contratou um assessor condenado na justiça justamente marcado pelo escândalo da publicidade na gestão do prefeito Jairo Gianoto.

Mostrar mais

redação

contato (44) 99803-1491 agnaldorvieira@gmail.com

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de Anúncios Detectado

Por favor, desative seu bloqueador de anúncios para continuar. Obrigado.