Política

‘Ou minha mulher é sua vice ou meu irmão é candidato contra você’, disse Ricardo Barros a Beto Richa, em 2014

O ex-governador Beto Richa (PSDB), pré-candidato a deputado federal, confirmou que o maringaense Ricardo Barros (PP), atual líder do governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados, impôs sua mulher, Cida Borghetti Barros, como sua candidata a vice nas eleições de 2014. “Ou minha mulher é sua vice ou meu irmão é candidato contra você”, disse Ricardo, referindo-se a Silvio Magalhães Barros II (PP), seu irmão mais velho, que chegou a ser lançado candidato pelo PHS, em convenção realizada em Maringá com a presença do presidente nacional do partido.

À época, a mulher de Silvio chegou a dizer em rede social que estava “decepcionada com a politicagem”, já que era de domínio público que a candidatura estava sendo negociada. Na entrevista a um podcast Beto Richa disse que “o problema é o estilo do Ricardo, muito atropelador de tudo”.

Ele contou ao Vibe PodCast que o atual governador Carlos Massa Ratinho Junior, então deputado do PSC, queria ser seu vice, num segundo mandato, cargo que na primeira gestão foi ocupado pelo hoje senador Flávio Arns – que também queria continuar na vice. Richa achou que estava na hora de mudar seu vice e acabou escolhendo Cida Borghetti Barros, hoje conselheira de Itaipu Binacional. Os deputados do MDB haviam garantido que tinham maioria na convenção, de onde sairia o vice; a convenção, histórica, acabou escolhendo Roberto Requião como candidato próprio. A reação da crônica política, lembra Beto Richa, desanimou Ratinho, que desistiu da vice, enquanto Ricardo Barros insistia: “Ou minha mulher é minha vice ou meu irmão é candidato contra você”.

“Perdemos o MDB, o Ratinho não quis e aí meio por exclusão, ‘vamos conversar então com a família Barros’. Aí aconteceu o que aconteceu. Tivemos uma boa relação com a Cida, não incomoda, né?, o Silvio foi meu secretário, embora não tinha acordo nenhum; o Ricardo foi secretário, por um período, de Indústria e Comércio. O problema é o estilo do Ricardo, muito atropelador de tudo. Tivemos um bom convívio, o problema foi depois que eu saí do governo. E aconteceu o que aconteceu [as denúncias contra seu governo], me tiraram até do programa de televisão e, pior, tiraram meu filho. Isso é que foi doído. Só lembrando que o partido que tinha maior tempo de televisão, na coligação, era o nosso, o PSDB, fomos banidos. Depois virou governo [quando Cida Borghetti assumiu após sua desincompatibilização para disputar o Senado], todo o meu pessoal foi para a rua”, disse ele, respondendo pergunta feita por Luiz Neto. (via Angelo Rigon)

Mostrar mais

Notícias Relacionadas

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de Anúncios Detectado

Por favor, desative seu bloqueador de anúncios para continuar. Obrigado.