Saúde

Sociedade Médica aponta para situação dramática da rede de saúde

A Sociedade Médica de Maringá (SMM) promoveu uma reunião, com participação do prefeito Ulisses Maia e do vice, Edson Scabora, e diversos secretários municipais nesta quarta-feira, 24, à noite. Estiveram presentes, além de médicos associados, representantes de hospitais, planos de saúde, Conselho de Medicina do Paraná, OAB, Associação Comercial, Codem e Sinepe.
Lucas Eduardo Savóia de Oliveira presidente da SMM lembrou que a pandemia de Coronavírus atingiu níveis críticos. Ele elogiou o recente decreto da Prefeitura para diminuir a aglomeração de pessoas. “Vemos que muitos jovens não entenderam a gravidade da situação. Nossa preocupação é chegar a um ponto em que não consigamos prestar serviços com qualidade. Estamos quase entrando em colapso e os profissionais da saúde estão no limite de sua capacidade”, explicou.
A superintendente do Hospital Universitário, Elisabete Kobayashi, lembrou que a taxa de ocupação da instituição está em 100%, enfermaria e UTI. “Temos 50 pacientes na fila de internação. Aqueles que são internados permanecem de 1 a 2 meses e muitos, normalmente, vão a óbito. De 50 pacientes dia, passamos a atender 200. É fundamental diminuir a transmissibilidade do vírus”, alertou.

Kobayashi também frisou que é preciso tirar as pessoas das ruas para diminuir a incidência de acidentes. “Nosso centro cirúrgico continua atendendo ocorrências. Foram 16 cirurgias em 2 dias”. Relatos de dirigentes da Unimed apontam que houve dia em que a instituição recebeu oito pacientes com Covid e não havia vagas em hospitais.
Durval Francisco do Santos Filho, presidente da Unimed, disse que a situação está um caos. “O pessoal da linha de frente está estressado. A vacina deu uma aliviada, mas os cuidados não acabam. Existe o medo do desconhecido. Atendemos 800 pacientes por mês. Hoje, maioria é covid e com virulência agressiva. As festas continuam e é preciso conter isso. As pessoas estão angustiadas. Vai morrer gente em pronto atendimento, em casa, no carro”, previu.
O prefeito Ulisses Maia disse que o decreto da Prefeitura é um dos mais rigorosos do país no momento e que o mesmo foi feito para diminuir os índices de transmissibilidade da doença. Para os médicos, o lockdown seria o ideal, mas eles compreendem que é a última medida a ser tomada, como frisou o diretor da Unimed, Reynaldo Brovini. “É a medida mais eficaz, mas sabemos que é drástica e deve ser tomada somente se nos próximos dias o quadro não melhorar”.

O presidente da Acim, Michel Soares, mostrou-se contra a eficácia do lockdown em Maringá e defendeu fiscalização rigorosa. “Não adianta fechar se as cidades da região ficarem com as portas abertas. Vamos contribuir reativando uma campanha de conscientização das pessoas”.
Diante da situação, os médicos frisaram a importância da proibição da venda de bebidas. Segundo eles, o álcool deixa as pessoas mais à vontade para desrespeitar as regras básicas do controle da pandemia e ainda aumenta o número de acidentes. Ao final do encontro, a Sociedade Médica promoveu uma votação e os presentes ratificaram que é preciso ampliar a lei seca vigente. O prefeito Ulisses Maia disse que a equipe da Prefeitura vai se reunir nesta quinta-feira, pela manhã, para definir esta questão. Outro compromisso de Ulisses Maia foi de analisar a possibilidade de a Prefeitura realizar testes de covid.

Os médicos solicitaram que a ACIM e outras instituições do meio empresarial incentivem o home office nos próximos dias, também como alternativa para evitar a transmissibilidade do vírus. As instituições presentes se comprometeram em usar todos os meios para dar capilaridade a campanhas de conscientização da população. Estiveram presentes os secretários Marcelo Puzzi e Marcos Cordiolli.

Bares, restaurantes e eventos
Também na quarta-feira, à tarde, a Prefeitura recebeu uma comissão de empresários dos setores de eventos, bares e restaurantes. Eles falaram sobre a situação difícil em que se encontram. Disseram não ser contra medidas restritivas, pois entendem a gravidade da pandemia. E solicitaram relaxamento do decreto em alguns pontos e pediram apoio da Prefeitura para manter suas empresas e empregos.
A Prefeitura ficou de analisar alguns pedidos pontuais dos empresários. O vice-prefeito, Edson Scabora, lembrou que a prefeitura doou 30 mil cestas básicas durante a pandemia, grande parte direcionada ao setor de eventos; disse que cerca de 3 milhões devolvidos pela Câmara Municipal também foram utilizados para apoio das empresas a juro zero e que a prefeitura ainda conseguiu uma linha de crédito de até R$15 mil via fundo garantidor. “Nosso setor jurídico está analisando outras medidas de apoio. Precisamos respeitar a Lei de Responsabilidade Fiscal e ao mesmo tempo encontrar mecanismos legais de apoio ao setor”.

Mostrar mais

Notícias Relacionadas

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de Anúncios Detectado

Por favor, desative seu bloqueador de anúncios para continuar. Obrigado.