Maringá

Advinha quem?

Apenas dois vereadores votaram contra indenização para família de servidor da linha de frente no combate à pandemia

Na sessão de hoje da Câmara de Maringá foi aprovado, em segunda discussão, o projeto de lei que institui indenização à família de servidor público municipal, profissional da saúde, em razão de óbito decorrente da covid-19. Apenas dois vereadores votaram contra a proposta, de autoria do poder Executivo: Rafael Roza (Pros), aquele do auxílio emergencial, e Cris Lauer (PSC), a dos 740 dias de CNH vencida.
Mais que humanitário, e reconhecimento pela dedicação profissional num momento de pandemia, em que alguns se arriscam para salvar vidas, o projeto também representa uma medida de economia ao erário, pois encerra eventuais ações em nível municipal, embora não vincule o pagamento a ações de indenização em outros níveis.

O projeto já havia sido aprovado em primeira discussão na terça-feira. Recebeu o voto contrário somente de Rafael Roza, ligado à Igreja Bola de Neve. Na sessão de hoje Cris Lauer votou favorável, como aconteceu na terça-feira, mas pediu retificação de voto e que constasse que votou contra. Assim, o projeto acabou aprovado por 12 votos a 2. Nenhum dos dois, nas duas sessões, quis justificar o voto.
De acordo com o projeto, fica instituída indenização a cônjuge, companheiro e herdeiros de servidor municipal, profissional da saúde, em razão de óbito por covid-19. Quando foi apresentado, quatro profissionais da área haviam sido vítimas da doença. (inf Maringá News)

Mostrar mais

Notícias Relacionadas

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de Anúncios Detectado

Por favor, desative seu bloqueador de anúncios para continuar. Obrigado.