PolicialJustiça

Prefeito é denunciado por crime contra a mulher

Ao responder uma seguidora, o prefeito teria usado violência psicológica, moral, de gênero e xenofobia

Ao responder uma seguidora, o prefeito teria usado violência psicológica, moral, de gênero e xenofobia
O prefeito de Paranavaí, Carlos Henrique Rossato, o Delegado Kiq, foi denunciado à Promotoria de Direitos Humanos daquela comarca, comandada pelo promotor Roberto Fonseca de Azevedo, por violência psicológica, moral de gênero e xenofobia contra uma mulher. A denúncia foi feita pelo psicanalista Osésa Rodrigues de Oliveira.

No centro da questão está a forma com que o prefeito tratou a seguidora Ana Moura, ao respondê-la no Facebook. Ele escreveu que ela paga suas contas usando uma expressão chula (xerecard). A mulher é prostituta, atividade no rol de ocupações brasileiras, reconhecida pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Na postagem o prefeito utiliza um linguajar reprovável, e é respondido por Ana Moura. “Antes trabalhando do que pedindo, igual o sr. fez”, disse ela, referindo-se ao fato de o prefeito ter sido condenado recentemente por crime contra a honra de dois jornalistas e uma vaquinha virtual ter sido criada para ajudá-lo a pagar a indenização por danos morais. Recentemente o Delegado Kiq iniciou mais uma polêmica, aio propor através de decreto o fim do local onde se realiza a ExpoParanavaí há 49 anos.

Conforme a Lei Maria da Penha, é dever da polícia proteger a mulher de todo tipo de violência. O que causa estranheza é que, além de ter sua formação no campo do Direito, o sr. Carlos Henrique Rossato Gomes é delegado de polícia. “Aquele que deveria ser o protetor e o garantidor da segurança da mulher, faz-se o violador de seus direitos”, narra o psicanalista, depois de detalhar sobre os tipos de violência que teriam sido cometidos. Na denúncia ele anexou prints com reação por parte de mulheres. “Conforme a lei, qualquer cidadão pode denunciar maus tratos contra a mulher, e como profissional de saúde mental, não posso me calar diante de tamanho desrespeito e afronta, não só às mulheres, já que muitas se ofenderam, mas as leis das quais Carlos Henrique jurou cumprir e defender ao assumir o cargo de delegado de polícia”, assevera. (inf Angelo Rigon)

Mostrar mais

Notícias Relacionadas

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de Anúncios Detectado

Por favor, desative seu bloqueador de anúncios para continuar. Obrigado.