Política

Afrouxamento da Lei de Improbidade Administrativa pode beneficiar dois deputados-líderes de Maringá

Metade dos líderes da Câmara Federal que respondem a ações por improbidade administrativa podem ser beneficiados diretamente pelo afrouxamento da legislação, aprovado ontem à noite em tempo recorde. Dos quatro líderes questionados na justiça, dois são de Maringá: Enio Verri, líder do PT, e Ricardo Barros (PP), líder do governo na Câmara.

De acordo com reportagem de Mariana Muniz, publicada na página 5 de O Globo de hoje, o projeto que flexibiliza a Lei de Improbidade Administrativa pode atingir diretamente integrantes da cúpula da Câmara que aprovaram ontem a proposta. Quatro integrantes do colégio de líderes da Casa são alvo de 13 processos com base na lei. Estão nessa lista o líder do governo, Ricardo Barros (PP); o líder do PT, Enio Verri; o líder do MDB, Isnaldo Bulhões Jr. (AL); e Renildo Calheiros (AL), líder do PCdoB.

Dos deputados por Maringá, Luiz Nishimori (PR) também votou a favor do projeto. O Sargento Fahur (PSD) foi o único a votar contra o afrouxamento da lei que pune agentes públicos processados por improbidade.
Ricardo Barros responde atualmente a três processos por improbidade. Na ação que corre na Justiça Federal, o integrante do Centrão é acusado de irregularidades em um processo licitatório para a compra de medicamentos de alto custo na época em que era ministro da Saúde, no governo Temer. Já na Justiça Estadual do Paraná, o parlamentar foi condenado em primeira instância por dano ao erário a restituir aos cofres públicos diferença entre o valor de mercado e o valor obtido por Maringá com a venda de equipamentos compactadores e coletores de lixo, quando prefeito. O processo está suspenso.

Barros disse que o projeto aprovado “é um avanço em fazer justiça aos servidores e ordenadores de despesas públicas que sofrem injustas ações de improbidade, que na sua grande maioria não condenam o acusado”. Já o deputado Enio Verri informou já ter sido absolvido no campo criminal em primeira e segunda instância. “Isso prova a necessidade de se mudar essa lei de improbidade, até porque ela dá ao Ministério Público um poder de guarda de trânsito”disse. (inf Angelo Rigon)

Mostrar mais

Notícias Relacionadas

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de Anúncios Detectado

Por favor, desative seu bloqueador de anúncios para continuar. Obrigado.