Denúncia

Câmara de Mandaguari aprova abertura de CPI para investigar uso particular de servidores e equipamentos públicos

Pedido foi feito pelos vereadores Eron, Chiquinho e Daniel e foi aprovado por 5 votos a 4; Motivação é uma denúncia realizada por um morador da cidade

A Câmara de Mandaguari aprovou, na noite desta segunda-feira (22), a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), para investigar o suposto uso de equipamentos e servidores públicos para finalidades particulares, no município. O Requerimento nº 154/2021, que trata sobre o tema, é de autoria dos vereadores Eron Barbiero (PSB), Chiquinho (PSD) e Daniel Gambá (PL).
O documento foi aprovado com cinco votos favoráveis e quatro contrários. Além dos três autores da proposição, também votaram a favor os vereadores Alécio do Cartório (PSD) e Sebastião Alexandre (MDB). Manifestaram-se contrários à medida os parlamentares Luiz Carlos Garcia (Cidadania), Claudete Velasco (PSC), Professor Danilo (PDT) e Marcio Cledson (Cidadania).

OS FATOS – A elaboração do requerimento tem por motivação uma denúncia feita por um munícipe junto ao Ministério Público (MP). De acordo com o denunciante, no último dia 30 de outubro, servidores públicos, em horário extraordinário, teriam utilizado equipamentos do Município para obras em propriedade rural particular.
De acordo com o documento, a ordem para a prestação dos serviços haveria partido do secretário municipal de Agricultura, Yohan Paulo Andrade Furtado, e do diretor de Abastecimento Municipal, Fernando Ricardo Cedran. A acusação formal está acompanhada por materiais supostamente comprobatórios, como fotos e vídeos, sendo que uma cópia foi entregue a cada vereador, na última semana.
Ainda segundo a denúncia, a propriedade que recebeu os trabalhos estaria arrendada para a família de um dos responsáveis pela autorização, Cedran, o que agravaria ainda mais o problema. No local, haveriam sido realizados serviços de manutenção e melhoria de carreadores, por meio de aplicação e compactação de pedra brita mista usinada.

DISCUSSÃO – O assunto dividiu opiniões entre os parlamentares. Os que votaram contra afirmaram que já foram averiguar a situação. “Voto contra esse requerimento, com a consciência tranquila. Acompanho os trabalhos feitos nas estradas rurais e verifiquei a situação. Tudo o que foi feito foi de forma correta”, disse o vereador Garcia. “Endosso o que o vereador Garcia falou. Fui atrás das informações e está tudo aqui: as leis que autorizam o trabalho, os comprovantes de recolhimento, entre outros documentos, explicou Marcio Cledson.”

“Nós estamos aqui para fiscalizar, nós somos cobrados por isso. Desde que recebemos a denúncia, fui atrás para saber sobre o caso e tive informações que demonstram que não há necessidade desse requerimento”, justificou Claudete Velasco. “Fiquei muito preocupado com a denúncia, na semana passada, e fui fiscalizar, solicitando documentos sobre o trabalho feito na localidade. E os dados que tenho em mãos mostram que a abertura de uma CPI não é interessante”, ressaltou Professor Danilo.

Já os vereadores que votaram a favor da matéria, defenderam a importância de uma investigação, para que não restem dúvidas. “A nossa função como vereador é legislar e fiscalizar. Por isso precisamos apurar a denúncia que recebemos. Tomara que esteja tudo certo, mas precisamos fazer a fiscalização”, disse o vereador Daniel Gambá. “Eu sou a favor do requerimento. Se não tem nada de errado, vamos esclarecer e não deixar essa dúvida na cabeça da população”, completou Chiquinho.

“Não podemos acusar ninguém, mas, da mesma forma pela qual o Ministério Público acatou a denúncia, eu voto para que a Câmara acate”, enfatizou Sebastião Alexandre. “Sou a favor de que todas as denúncias sejam apuradas, porque o vereador não está aqui somente para criar e aprovar projetos de lei. Vamos instaurar a CPI, apurar a situação, os documentos vão ser apresentados. E, se tudo estiver regular, vamos arquivar”, defendeu o presidente da Câmara, Alécio do Cartório.

“Nós não devemos ignorar a denúncia de um munícipe. Quero acreditar que esteja tudo certo, mas precisamos de respostas e, enquanto fiscalizadores, temos ferramentas para isso, por meio da CPI”, discursou Eron Barbiero.

O QUE OCORRE AGORA – A partir da aprovação do requerimento, os partidos interessados em compor a comissão poderão indicar, no prazo de até 48 horas, um candidato. Após isso, o presidente do Legislativo, em 24 horas, definirá três componentes, que terão três dias úteis para eleger presidente, relator(a) e membro do grupo de trabalhos.

Depois desse processo, a CPI terá um prazo inicial de 90 dias, período no qual ouvirá os envolvidos e testemunhas, levantará documentos e concluirá sobre as medidas a serem tomadas, como se os responsáveis deverão responder por improbidade administrativa. Se for necessário e justificável, esse prazo pode ser estendido por mais 45 dias.

Mostrar mais

Notícias Relacionadas

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de Anúncios Detectado

Por favor, desative seu bloqueador de anúncios para continuar. Obrigado.