Região

Ex-prefeito é denunciado por organização criminosa

Operação Megabyte: Tarcísio M. dos Reis é acusado de ter recebido propina

Ex-prefeito de Paiçandu, o professor e psicólogo Tarcísio Marques dos Reis foi denunciado em 15 de março pelo Ministério Público do Paraná por integrar uma organização criminosa que causou prejuízos de ao menos R$ 3 milhões (sem correção), através de licitações fraudadas, entre 2013 e 2018; Tarcísio foi prefeito por dois mandatos, pelo PT. O caso foi investigado pelo Gaeco na Operação Megabyte, que apontou que servidores públicos e empresários estavam envolvidos em fraudes em licitações, falsificação de documentos, corrupção ativa e passiva, peculato etc.

Outras 13 pessoas foram denunciadas, entre elas os então secretários de Administração (Elza de Miranda Rosada), de Planejamento (Alessandro Felipe Alves Kotsifas) e de Finanças (Márcio da Silva) e os ex-chefes do Setor de Informática, Rafael Alexandre dos Reis Ferreira, e do Departamento de Controle Administrativo, Wanderson Prieto Arias. Os empresários Luiz Claudio Fachini (WP do Brasil Suplementos para Informática Ltda.), de Mandaguari; Jean Silva Arruda, da Completta Agência Digital, de Paiçandu; Reginaldo Todao Garcia, sócio da Everest Informática e Comercial Santos Dumont, Everton Coimbra Augusto (funcionário de Reginaldo) e Elton Coimbra Augusto, da Comercial Paiçandu Equipamentos, todos de Paiçandu.

Para o promotor Pedro Ivo Andrade, que detalha os procedimentos criminosos em 117 páginas, licitações realizadas pela Prefeitura de Paiçandu e envolvendo os membros da organização criminosa superaram o valor de R$ 3 milhões, e as conversas registradas nos celulares dos investigados revelam a existência dos atos delituosos. A palavra “propina” aparece 39 vezes na denúncia encaminhada à 2ª Vara Criminal de Maringá, onde 14 pessoas são acusadas ainda de fraude a licitação, peculato, corrupção ativa e passiva. O ex-prefeito Tarcísio Marques dos Reis teria recebido propina mensal de R$ 5 mil reais em razão de favorecimento à WP do Brasil. De acordo com a denúncia, havia intermediador e operador financeiro do esquema, que resultou em cerca de R$ 340 mil em propina repassados ao ex-prefeito pelo empresário Luiz Claudio Fachini.

O Ministério Público Estadual pediu o enquadramento dos denunciados em vários artigos do Código Penal e da Lei de Licitações . Para o ex-prefeito, pena de 4 a 8 anos por organização criminosa, além do enquadramento em fraude em licitação, e 11 outros delitos em vários artigos do CP. Pede-se a devolução de R$ 203.900.00 em favor da União e o valor mínimo de R$ 421.557 em por danos causados aos cofres públicos. Os servidores denunciados foram exonerados de seus cargos. Todos os valores pendem de atualização. (inf Angelo Rigon)

Mostrar mais

Notícias Relacionadas

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de Anúncios Detectado

Por favor, desative seu bloqueador de anúncios para continuar. Obrigado.